Prefeitura descarta renovação de contrato com empresa que opera radares em Presidente Prudente

Contrato com empresa de radares não será renovado pela Prefeitura (Foto: Stephanie Fonseca / G1)

A Prefeitura de Presidente Prudente informou nesta terça-feira (5) que, conforme parecer da Secretaria de Municipal Assuntos Jurídicos e Legislativos, o contrato com a empresa responsável pela operação dos radares de trânsito na cidade não deverá ser renovado. O contrato vence no próximo domingo (10).

Segundo a nota oficial enviada pelo Poder Executivo ao G1, diante disso uma nova empresa será contratada mediante licitação.

Os equipamentos estão em funcionamento na cidade desde o mês de setembro de 2015. No ano de 2016, foram emitidas 78.249 multas por radares em Presidente Prudente, sendo 33.424 de janeiro a junho e 44.825 de julho a dezembro, de acordo com as informações do Poder Executivo.

Com relação à arrecadação, foram R$ 5.366.057,99 em multas no ano de 2016, segundo a Prefeitura.

Neste ano, o Poder Executivo contabiliza 15.781 multas aplicadas de janeiro a junho.

O trânsito da cidade conta com dez radares fixos e oito “semafóricos”, além de outros dez pontos móveis de fiscalização. No total, são 28 pontos de fiscalização eletrônica. Inicialmente, em 2015, o limite de velocidade nas principais avenidas da cidade estipulado pela Prefeitura era de 50 km/h. Porém, após uma decisão do então prefeito Milton Carlos de Mello “Tupã” (DEM), a velocidade foi alterada para 60 km/h.

A instalação dos radares em Presidente Prudente chegou a ser alvo de uma ação de improbidade administrativa movida pelo Ministério Público Estadual (MPE), mas a Justiça negou a liminar requerida pela Promotoria, que pretendia interromper o funcionamento dos equipamentos na cidade.

No mês de junho deste ano, a Justiça aceitou uma ação do MPE que questiona a contratação da empresa de radares.

O presidente da Politran, Eduardo Alvarez Conradt, empresa responsável pela operação dos radares na cidade, informou ao G1 nesta terça-feira (5) que tentou conversar e negociar com a Prefeitura uma nova renovação do contrato, mas não obteve sucesso. Ele afirmou que a decisão para a não renovação “é contra a vontade da empresa” e se sente “decepcionado” com a situação.

“Acredito que a nova administração já assumiu com a intenção de trocar a empresa que opera os radares”, declarou Conradt ao G1. Segundo ele, a Prefeitura alegou que pensa em um novo projeto de trânsito na cidade e, mesmo a empresa apresentando tal projeto, não houve decisão positiva para a renovação do contrato.

O presidente da Politran ainda afirmou que pretende participar da nova licitação para o serviço de radares na cidade. “Quando a licitação for lançada, nosso departamento jurídico vai analisar o edital e, caso esteja de acordo, vamos sim participar da nova concorrência”, concluiu ele.

G1 Presidente Plrudente
09:40:08

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *