Odebrecht muda depoimento e amplia cerco a Lula

Lula faz palestra em Angola bancada pela Odebrecht em 2014 (Crédito: Ricardo Stuckert/Instituto Lula)

Executivos da empreiteira Odebrecht prestaram novos depoimentos, após seus acordos de delação premiada, a investigadores da Operação Janus no mês de maio e abril, o que pode ampliar o foco sobre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e seu “sobrinho” Taiguara Rodrigues Santos. Segundo ISTOÉ apurou, o patriarca da família, Emílio Odebrecht, foi confrontado com emails de seus subordinados e mudou versão que ele próprio fizera à Procuradoria Geral da República: agora, ele diz que Taiguara fez serviços ruins e imprestáveis para a empresa – o que, para o Ministério Público, significa que serviram apenas para mascarar propinas para Lula. O tio, o sobrinho e os funcionários da empreiteira, incluindo Marcelo Odebrecht, já respondem a ação penal na 10ª Vara Federal de Curitiba.

Emílio disse que, em uma das palestras bancadas pela empresa para Lula falar em Angola, ele apresentou Taiguara a um subordinado da empresa como fornecedor da empreiteira. Em 2011 e 2015, o ex-presidente fez duas palestras no país africano onde a construtora tem negócios bilionários financiados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). A Odebrecht repassou R$ 20 milhões à empresa de Taiguara, a Exergia. Segundo o Ministério Público, essa foi a forma de a empresa pagar corrupção ao ex-presidente.

Na segunda palestra, em 2014, também bancada pela Odebrecht, há fotos e vídeos de Lula e Emílio. O computador de Taiguara apreendido pela Polícia Federal mostra ainda fotos do petista e do sobrinho no país africano. Todos já foram denunciados criminalmente na 10ª Vara Federal de Brasília na Operação Janus, uma das mais documentadas acusações contra o petista feita ainda no ano passado. Mas advogados das defesas pediram ao juiz Vallisney Oliveira para que as delações da Odebrecht fossem acrescentadas ao caso.

Semanas depois do pedido dos advogados – coincidência ou não – novos depoimentos foram prestados por executivos da empreiteira em abril e maio em Brasília, incluindo Emílio e Alexandrino Alencar. Eles indicam que o sobrinho de Lula fez um trabalho ruim e mal feito, apurou ISTOÉ após ouvir seis fontes ligadas ao caso. Num caso específico, sequer serviço prestou, de acordo com as fontes ouvidas. Eles afirmaram ainda a autoridades foi Lula quem pediu para contratar Taiguara e que, se ele não fosse parente do petista, jamais conseguiria o trabalho, para o qual recebeu os US$ 20 milhões por meio da empresa Exergia.

Estadão Conteúdo
08:45:02

2 Comentários

  1. Desembargador manda o Juiz Sergio Moro, refazer audiência por cercear defesa de Lula, advogados foram informados ontem, sobre mídias juntadas pela acusação, para audiência ás 14 horas pediram adiamento o Juiz Sergio Moro recusou, tribunal deu razão a defesa de Lula: decisão do tribunal regional federal, da 4 região (TRF-4) deu razão á defesa de Lula por considerar que ouve cerceamento da defesa nos depoimento de Emílio Odebrecht e do ex- executivo da empreiteira, Alexandrino Alencar, que ocorreram 05/06 em Curitiba a defesa foi informada na parte da manhã que a acusação juntada mídias com delação premiada, do dois depoentes, para audiência que ocorre ás 14 horas pediram ao Juiz Sergio Moro, que adiasse a sessão para dar tempo de a defesa conhecer os documentos e se preparar para o depoimento, o Juiz Sergio Moro recusou, os advogados de Lula entraram então com pedido de habeas corpus, no (TRT-4) na decisão, o desembargador João Pedro Gebran Neto, primeiro explicou porque não tomou a decisão antes das 14 horas e adiou os depoimentos, alegando que o processo só foi distríbuídos para eles ás 13:22 horas, porem manda que seja “repetido o ato depoimentos, após as defesas tomarem conhecimento do conteúdo integral das mídias anexados aos depoimentos ocorram novamente, é bom lembrar que até este momento praticamente todas as decisões do Juiz Sergio Moro, vinha sendo aceitas pelo (TRF-4) o desembargador que concede a liminar, já foi acusado de ser padrinho do filho do Juiz Sergio Moro, o que desmentiu mas o que admitiu ter amizade com o Juiz de Curitiba!

    Resumindo o Juiz Sergio Moro, no desespero para condenar Lula, que agora disparou de vez nas pesquisas eleitorais, está catando todos para refazer novamente delações contra Lula, se não delatar Lula a delação não tem validade e nem são vazada para velha mídia que estão com a boca espumando de raiva, de Lula ser presidente novamente!!

  2. É preciso investigar o Juiz Sergio Moro, por vários crimes sua conduta é acintosa e a muito tempo já existe elementos para uma investigação séria, não podemos esquecer que ele está protegendo Aécio e o Temer não deixando o Eduardo Cunha delatar o Temer, absolveu esposa do Cunha com milhões na Suiça, muito estranho tudo isso!!

De sua opinião