Nasce o último bebê orca do parque SeaWorld

A orca Takara nadando ao lado de seu filhote recém-nascido (Sea World/Divulgação)

O último bebê orca a nascer em cativeiro nos parques SeaWorld, nos Estados Unidos, acaba de chegar ao mundo. Takara, uma orca de 25 anos, deu à luz um adorável filhote na última quarta-feira. Um vídeo do nascimento foi divulgado pelo parque, que afirmou em 2016 que pararia com seu programa de reprodução após a gestação de Takara. Como esta é a última orca a nascer dentro das dependências do SeaWorld, os pesquisadores esperam aproveitar a oportunidade para estudar mais uma vez o desenvolvimento desses animais e ajudar a encontrar maneiras de preservar a espécie.

Apesar de sua reputação de “baleias assassinas”, as orcas não são baleias. Elas pertencem ao grupo dos golfinhos de grande porte. Uma das principais diferenças entre esses animais é que as baleias têm barbatanas no lugar de dentes e dois orifícios respiratórios no topo da cabeça, enquanto os golfinhos possuem uma mandíbula adaptada para o consumo de carne e apenas um orifício para respirar.

Além disso, as orcas também são designadas erroneamente como assassinas. Dados da ONG de proteção a baleias e golfinhos Whales and Dolphins Conservation (WDC, na sigla em inglês) indicam que, na natureza, não há notícias de nenhuma morte humana devido a um ataque desses animais e apenas um episódio de agressividade foi registrado. Em cativeiro, no entanto, esses eventos são mais comuns, sugerindo que os mamíferos fiquem mais agressivos quando mantidos em ambientes controlados por humanos. A organização afirma que mais de 100 pessoas já ficaram feridas e quatro morreram devido a ataques de orcas em cativeiro.

Quanto a Takara e seu filhote, os pesquisadores afirmam que ainda não sabem o sexo do bebê e vão esperar a “autorização” da mãe para conhecê-lo mais de perto. “Takara vai nos avisar quando ela estiver pronta para conhecermos seu novo filhote e começarmos a construir com ele uma relação de confiança, assim como temos com Takara”, afirmou em comunicado Julie Sigman, treinadora no SeaWorld San Antonio. “Enquanto isso, vamos deixar Takara ser a mãe incrível que ela é, providenciando tudo que seu bebê precisa.”

Orcas em cativeiro

Segundo a WDC, existe um total de 61 orcas vivendo em cativeiro ao redor do mundo, das quais 23 estão nos Estados Unidos – 22 delas, mais precisamente, localizadas nos parques SeaWorld. Dados apresentados pela organização mostram que a taxa de mortalidade para orcas que vivem em cativeiro é 2,5 vezes maior do que na natureza.

No caso do SeaWorld, a WDC aponta que 92% desses animais que vivem nos parques não ultrapassam os 25 anos, enquanto no oceano a expectativa de vida chega até 50 anos. Além disso, os tanques costumam ser tão pequenos que seria necessário percorrer as distâncias de ponta a ponta 1.400 vezes para que as orcas nadassem o tanto que geralmente nadam na natureza.

A realidade da vida em cativeiro faz com que 100% dos machos e algumas fêmeas tenham uma deformação em sua barbatana dorsal, uma vez que as águas rasas fazem com que seu membro fique para fora e, consequentemente, sofra mais consequências da ação da gravidade.

Veja.com
09:27:02

De sua opinião