Fabricante da Dolly é investigada por fraude no ICMS

Dolly: ela disse que não praticou nem compactua com qualquer tipo de sonegação fiscal (Dolly/Divulgação)

A Ragi Refrigerantes, fabricante das bebidas da marca Dolly, estão sendo investigadas por sonegação de impostos. A empresa é alvo da Operação Clone, da Secretaria da Fazenda de São Paulo.

As empresas do grupo “são suspeitas de inadimplência fraudulenta do ICMS, embaraço de fiscalização e organização de fraude fiscal estruturada”. O grupo tem cerca de R$ 2 bilhões em dívidas no ICMS e já recebeu autos de infração de valores milionários.

Segundo comunicado da Secretaria, as empresas do grupo têm deixado de responder a inúmeros comunicados desde o ano passado e jamais receberam fiscais da pasta para esclarecimentos.

Os agentes da Secretaria investigaram seis instalações da companhia: três em Diadema, uma em Tatuí e em dois escritórios na capital paulista.

Nos últimos anos, a companhia teve sua inscrição estadual cassada pelo Fisco e foi impedida de funcionar. No entanto, “há indícios de que elas ainda hoje continuam operando irregularmente, sem inscrição estadual, mediante estabelecimentos localizados em outras regiões para simular operações com refrigerantes e sucos”, diz nota.

Em nota, a Dolly disse que não praticou nem compactua com qualquer tipo de sonegação fiscal.

Ela afirma ter sido vítima de seu escritório contábil, que durante anos, omitiu do Fisco dados importantes, o que gerou desfalque milionário com falsificação de sentenças, fraude de guias e documentos.

Segundo ela, um dos sócios do escritório contábil já prestou depoimento a favor da Dolly ao Ministério Público e Polícia Federal, assumindo o desvio do dinheiro que seria destinado ao pagamento dos impostos.

A Dolly diz ainda que “quer esclarecer o mais rápido todos esses fatos, contribuir com as investigações e provar sua inocência”.

Exame.com
11:25:54

De sua opinião