Anticoagulantes e Dieta: Como Colocar a Vitamina K na sua Alimentação

Se você é uma daquelas milhares de pessoas que usam anticoagulantes, como a Varfarina (Coumadin, Marevan, etc.) para prevenir ataque cardíaco, derrame ou embolia pulmonar, há uma grande possibilidade de que o seu médico tenha pedido para você reduzir o consumo de espinafre e outros alimentos ricos em vitamina K, por serem considerados perigosos para você.

Com isso, algumas pessoas ficam preocupadas e até mesmo com medo de ingerir alimentos altamente nutritivos e que contenham a vitamina K. Por fim, essa restrição excessiva acaba gerando muitos problemas. Isso porque esse nutriente é crucial tanto para a proteção cardiovascular, como para a saúde dos ossos.

Caso você use a nova geração de medicações que afinam o sangue, como Rivaroxaban (Xarelto) e Dabigatran (Pradaxa ou Apixaban) (Eliquis), que agem de modo semelhante à Varfarina, bloqueando a produção de proteínas de coagulação do sangue, não encontrará este problema. Esses medicamentos agem de outra forma, não necessitando de vigilância da vitamina K.

Como a Varfarina ainda é o mais usado nestes pacientes de risco cardíaco, ficam aqui minhas orientações para se ter manter atento ao delicado equilíbrio entre dois fatores: o risco de excesso de sangramento e o risco de coagulação indesejável.

Para se determinar a dosagem da Varfarina, deve-se manter o INR (International Normalized Ratio) entre 2,0 e 3,0. Além das considerações nutricionais, a Varfarina interage com diversas medicações (certos antibióticos, outras medicações cardíacas, antidepressivos e drogas para o colesterol), assim como com os suplementos St. John Worth e Ginkgo Biloba.

Como a vitamina K promove coagulação sanguínea, consumir muito alimento que contenha esse nutriente pode reduzir o efeito da Varfarina.

O quanto de vitamina K é seguro para quem toma anticoagulantes?

Não existem pesquisas conclusivas sobre uma dosagem ótima de vitamina K para quem usa Varfarina, mas segundo o Dr. Harlan, da Tulane University School of Medicine em New Orleans, a solução sugerida é que esses pacientes devam ingerir, através da dieta, cerca de 75mcg por dia desta vitamina.

É um nível bem abaixo da dosagem permitida para adultos, cerca de 90 mcg para mulheres e 120 mcg por dia para homens. Essa dosagem diferenciada garante os benefícios protetores da vitamina, sem interferir na ação na Varfarina.

Como balancear a vitamina K na sua dieta

Com certeza, há alimentos que são muito ricos em vitamina K, como salsinha, couve, brócolis e espinafre. Para evitar o excesso da vitamina, dê preferência a vegetais como rúcula, beterraba, aipo, cenoura, milho, berinjela, ervilhas, nabos, abobrinha e tomate. A dosagem é de, no máximo, 1 copo – a menos que seja indicado de outra forma pelo seu médico.

Outros alimentos que contém pouca vitamina K são os cereais, a maioria das frutas, feijões, sementes e tubérculos, como cogumelos crus, grãos cozidos, salmão, linguado, carne de porco, peru sem pele, limão, laranja, amêndoas alecrim e gengibre.

Importante: converse com o seu médico se você deseja aumentar a ingesta de vitamina K. Isso tem que ser monitorado e, se necessário, sua dose de Varfarina ajustada. A frequência de monitoramento depende de condições especificas de cada paciente.

Referências bibliográficas:

– Livro: The Dr. Gourmet Diet for CoumadinUsers. Timothy S. Harlan
– J Nutr. November 2004;134:3100-3105
– Arch Intern Med. 2006; 166: 1256-1261
– Am J Clin Nutr April 2008
– Am J Clinical Nutrition, May 2010

14:00:56

De sua opinião